Connect with us

Futebol

Dificuldades e crítica: Presidente de futebol do Juventus fala sobre saídas de técnico e gerente

Foto: Lucas Pavin/Arquivo Avante! Esportes

Pouco depois das saídas do técnico Márcio Nunes e do gerente de futebol Renne Franco, o presidente de futebol do Juventus, Hudson Moura, conversou com a reportagem do OCP e Avante! para falar sobre o assunto.

Segundo ele, o interesse de clubes gaúchos no treinador já era antigo, mas se mostrou surpreso com a decisão do comandante.

“O Márcio tem sido sondado desde que ele chegou, porque tem mercado aberto no Rio Grande do Sul, mas fui pego de surpresa. Eu viajei na quinta-feira passada e estava tudo em ordem. Parece que na sexta o Inter de Santa Maria reforçou a proposta e ele já estava preocupado com a situação longe da família”, disse.

O mandatário também destacou a redução no investimento para atual temporada. Com uma folha salarial de apenas R$ 40 mil, Hudson admitiu dificuldades, mas rechaçou o atraso de salários.

“Infelizmente uma andorinha só não faz verão. A minha condição é limitada, esse ano está difícil o investimento. Não tem salário atrasado, mas algumas questões não estava contento a eles (comissão técnica). Mas nada disso foi escondido quando vieram para o desafio”, declarou.

“Faz parte. Ele (Márcio Nunes) recebeu uma proposta financeira melhor, um calendário até o final do ano, deve ter comparado as condições de estrutura e foi embora”, completou.

O presidente de futebol ainda disse não entender o motivo para saída de Renne e criticou o trabalho do gerente.

“Não sei porque o Renne entrou nesse barco, mas o trabalho dele também não estava sendo muito a contento junto comigo. A contratação do treinador e de todo elenco foi dele, não participamos em nada. Não sei se com a saída da comissão ele também achou que não teria espaço, mas pra mim o Renne era o menos relevante no momento, porque o trabalho dele não estava condizendo com o que eu esperava”, opinou.

Sobre o novo treinador, Hudson revelou que as negociações já estão em andamento e espera um grupo unido para a sequência do Estadual.

“Já estou conversando com alguém que conheça a competição. Estamos numa condição mais tranquila na tabela depois da vitória (sobre a Caçadorense), mas vamos pra cima. O importante agora é o elenco se unir e abraçar quem vier pra comandar o time”, finalizou.

More in Futebol